EXPRESSÕES DE COMPAIXÃO: PRÁTICAS ORGANIZACIONAIS NO RESCALDO DE UMA CRISE

Ace Volkmann Simpson, Stewart Clegg, Miguel Cunha e Pina, Ana Regina Marcelino

Resumo


A compaixão é quase universalmente considerada um tema importante na literatura sobre gestão de crises. Contudo, a perspetiva dominante aborda a compaixão de um modo instrumental, como se se tratasse de uma ferramenta prática para veicular mensagens destinadas a alcançar objectivos de proteção dos ativos organizacionais. Os resultados revelados por este estudo sobre a compaixão proporcionada (ou não proporcionada) a funcionários durante e após a crise das cheias de Brisbane em Janeiro de 2011, aprofundam a noção da gestão de crises como processo contínuo, e não como resposta reativa face ao desastre no momento em que este ocorre. Três implicações principais foram extraídas do estudo: (1) os discursos compassivos e os esquemas de categorização devem ser articulados de forma clara na organização  antes da crise (i.e. as organizações compassivas devem expressar compaixão como prática quotidiana); (2) é necessário que as políticas e práticas de compaixão estejam presentes nas rotinas e políticas do dia-a-dia; (3) finalmente, as iniciativas tomadas pela organização como respostas compassivas não conduzem necessariamente a resultados positivos. Os resultados devem, na verdade, ser avaliados e corrigidos à medida que as ações vão sendo desenroladas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21583/2447-4851.rbeo.2015.v2n1.45

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Brasileira de Estudos Organizacionais

Sociedade Brasileira de Estudos Organizacionais

DOI 10.21583 

eISSN: 2447-4851

revista.rbeo@gmail.com